segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Ser feliz é uma escolha

Há muitos anos eu ouvi uma frase que achei legal, mas acho que não entendia sua profundidade.
A frase citada num filme e atribuída a Buda diz:

"Não existe caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho."

Naquela época achei interessante, tão interessante que tantos anos depois ainda me lembro da frase, apesar de não ter certeza do filme.
Analisando as pessoas (um hobby que tenho :D) percebi que:
Muitas pessoas passam a vida a procura da felicidade.
Outras tantas tentando descobrir o caminho para ser feliz (na maioria das vezes querem mesmo é o atalho...).
Outras ainda acham que felicidade não existe.
Uns poucos se consideram realmente felizes.
E algumas que ela até existe, mas que não foram destinados a vivê-la (ou possuí-la, como muitos pensam).

Confesso que durante muito tempo pensei como este último grupo.
Mas nos ultimos tempos tenho pensado diferente. Tudo por causa meu marido.
Não que eu tenha um casamento perfeito. Nada é perfeito (a não ser Deus).
Juntos passamos por muita coisa. Muitas coisas ruins, difíceis. Mas tantas outras boas, gostosas, alegres. E foi quando ficamos longe (por causa do meu trabalho) que descobri o quanto a frase era profunda e verdadeira.

Apesar da distância, que realmente enfraquece, pude me conhecer melhor, e perceber que só havia uma coisa que me impedia de alcançar a tal felicidade, minha vontade.
Eu tinha tanta certeza que não merecia ser feliz que não fazia nada para sê-lo.
Eu sempre via o pior de tudo, sempre achava o defeito das coisas, sempre pensando que nada daria certo, porque eu acreditava que não merecia nada diferente disso.
Mas sozinha, longe do amor da minha vida, dos amigos (que eu também amo profundamente!), constatei que se eu me predispusesse as coisas poderiam ser boas para mim também.

Quando eu achava que tudo daria errado, acabava dando mesmo, seja por eu não ter dado o melhor de mim, seja porque eu já entrava na batalha derrotada.
Foi quando resolvi testar se o oposto também se aplicava.
Comecei a achar que tudo daria certo. E qual não foi minha surpresa quando muita coisa melhorou ou aconteceu de forma melhor mesmo!

Tive perdas, tive sim, algumas muito difíceis, muito doloridas, muito tristes.
Mas encarando diferente eu me recuperei muito rápido, pois logo percebi que não ganhamos sempre, e quando perdemos temos todo o direito de "curtir" nossa derrota, desde que aprendamos algo que sirva para a nossa futura vitória (seja ela rápida ou não).

No fim do ano de 2007 fiz um balanço da minha vida e apesar dela já estar melhor eu me propus um trato:
Se eu cumprir, ganho a felicidade (ou um caminho cheio dela), se não cumprir tenho que descobrir porque não me permiti cumprí-lo.

E o meu trato é que EU SEREI FELIZ hoje, amanhã, semana que vem, mês que vem, até o fim da vida (que aliás eu não aguardo mais com tanta impaciência...).

Se Buda estava certo, e a felicidade é o caminho, acho que estou no caminho certo.

2 comentários:

Rê disse...

Ei Erikita! Eu fico muito feliz de sobre essa sua vitória. Assim como vc já aguardei o fim da vida com muita impaciência e já achei que não merecia a felicidade. Esperei por ela! Claro que ela não veio! Mas eu descobri que ela não veio porque já está aqui, acho até que mora dentro da gente e que vai embora toda vez que a gente (sem querer) manda ela embora. Vira e mexe eu faço isso. Mas me acalmo e peço pra ela voltar. Essa vida é uma loucura, um dia tá perfeita, no outro tá uma bosta... e vida que segue! Mas sei que viver é presente de Deus e que a gente tem o direito de curtir isso! Então cai na folia e curta o seu direito de viver e de viver FELIZ!!!!

Alexandre Alkmim disse...

Oi, Ericka.
Interessante como um post como esse é atemporal, não?
Tenho me visto neste seu momento. Encontrando a felicidade como caminho... espero que você esteja bem também agora e que sempre se lembre. : )

Um abraço!
Alexandre.